email para contactos:
depressaocolectiva@gmail.com

sábado, 27 de dezembro de 2014

Não me dês a pata


Adoptou-me ao ponto de protestar sempre que os da casa me abraçavam, permanecendo indiferente aos abraços entre eles. Até ficar doente, não houve uma única vez em que, sentindo  a chave na porta, não me tenha vindo saudar como se possuída. Mesmo quando eu  demorava apenas cinco minutos para ir à garagem. Era, claro, um ser irracional, tal como o bebé de ano  e meio que vem a correr para os braços do pai, acabado de entrar em casa,   que retribui  imitando  o Alien dos filmes da Sigourney Weaver. As grandes  perdas incluem elementos cénicos  fossilizados.
Como nas cidades já não temos rebanhos e não caçamos nas ruas e  esplanadas, sobra  a protecção pessoal como última razão para ter um cão. Sendo os labradores, os King Charles Spaniels ( um must  da  moda estes) e outros mini-cães os mais comuns nos prédios, também esta última razão desapareceu. O real motivo, hoje, é querermos  ser amados de   foma incondicional por um ser irracional. Rima e faz  sentido.
Ainda bem que o laço humano não é incondicional. Ainda bem que os outros não estão lá sempre prontos para nós, a  dar à cauda e  indiferentes ao nosso humor. O anqueo humano é sujeito à manipulação, ao equilíbrio, à culpa e à rejeição. Para além disso, não lambemos os nossos próprios  genitais.










13 comentários:

  1. Eu gosto desse amor incondicional porque será? lol...pois, ainda bem que nós não limpamos os genitais da mm forma que os animais, cof cof...
    A parte boa do incondicional é não só o amor, eles não julgam, para eles tanto faz a cor do humano, se tem 1 braço ou 1 deficiência mental, logo que dê e receba amor :) E eu acho que eles até são racionais porque entendem e bem os nossos estados de humor :)

    Feliz Ano Novo 2015 ;)

    Cumprimentos
    HT

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. eles não julgam: pois não, a Blondi, a cadela pastor alemão do Hitler, também não julgava. Isso é bom em si mesmo porquê?
      Feliz Ano Novo para ti, H.,

      Eliminar
    2. Pois, o Hitler teria a Blondi como única e verdadeira amiga, ou talvez não... Lamento tb a perda da boxer. Ela gostava sempre de si de bom humor ou antisocial eheh :)

      Eliminar
  2. Lamento "conheço a" desde o mar salgado.

    Eu acho que amarei incondicional, sou irracional :), daí ter tanto "medo" que aconteça. Dar a "pata" não é fácil...
    Tenho que acertar no caracter previo senão estaria tramada.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. vero, foram muitos anos, agora não tenho descompressão quando chego da consulta.
      dar a pata é tentativa de dominação nos cães..

      Eliminar
    2. Num post aí atrás aconselhava não ficar fixado num...que tal dar-se o direito de educar um cão...

      Se dar a pata é...já me é mais fácil ;)

      Eliminar
  3. não tenho essa afeição por irracionais, não há cão ou gato fofinho que me dê a volta. talvez mais um défice :-). aos de duas patas racionais, ainda bem que é como diz. embora, se fale de uns que retiram costelas para um certo contorcionismo. talvez um mito urbano.

    lamento pela perda da sua cadela.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Por acaso enviaste-me um cartão de Natal canino...

      Eliminar
    2. por acaso é uma leoa, do zoo de Taronga. a achar-lhe piada foi pelo cenário :)

      Eliminar
  4. o título faz todo o sentido.

    não tenho esse apego aos animais.

    lembrei-me do meu pai e do último cão que teve (lobo de alsácia), que era extremamente ciumento e uma vez até mordeu o meu irmão, quando se estava a despedir com um beijo...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Luís, long time no see...
      esse bicho era exagerado..

      Eliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.