email para contactos:
depressaocolectiva@gmail.com

segunda-feira, 20 de maio de 2013


Onde está o leitor neste mapa ?
Bem, sendo um mapa, calculo que já terá estado em vários  territórios. Eu mantenho-me junto do rio, embora às vezes apanhe umas ondas. O truque é saber qual a zona que frequentamos  mais, não é?

19 comentários:

  1. Já fiz várias visitas a vários locais nesse mapa, mas pessoalmente já há alguns anos que não saio da crippling insecurity-ville...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Hummm...muito próximo da floresta ...et pour cause.
      Teve pais exigentes?

      Eliminar
    2. Sem duvida muito próximo da floresta...

      Não posso dizer que tenha tido pais muito exigentes, pelo menos a nível de objectivos. No entanto corre na família a característica, de algumas gerações já, em que os filhos nunca fazem nada bem feito.

      Eliminar
  2. Eu também tento estar junto ao rio, mas nem sempre é possível. Por vezes, somos arrastados para outros pontos, umas vezes porque nos deixamos arrastar e outras porque não há como resistir (ou, mesmo resistindo, somos arrastados). Digamos que neste momento estou assim: http://de.wikipedia.org/wiki/Der_Wanderer_%C3%BCber_dem_Nebelmeer.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É tentar e continuar, Carlos.

      Eliminar
    2. Sempre, Filipe. Mesmo quando não é fácil, vale a pena estar aqui. E como muito bem observou Thomas Jefferson, e é importante termos sempre presente, «a liberdade é um mar tempestuoso.»

      Eliminar
  3. Quase sempre na margem direita do rio, vagueando entre o bosque e o mar.

    ResponderEliminar
  4. direita não, esquerda: no sentido da corrente.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estranho: entre a clareira do optimismo e a depressão?

      Eliminar
    2. Sim. Escreveu sobre isso há dias. Também vou ao rio qd tenho tempo.

      Eliminar
    3. E depois, perdoe-me a chinela psi, mas não resisto: o seu blogue Esquerda Republicana e logo essa hesitação entre as margens esquerda e direita...

      Eliminar
    4. Já estava à espera. Pensei q resistisse. Sabe , as mulheres com a direita e a esquerda...

      Eliminar
  5. Eu ando mais nas Waves ( a minha aspiração permanente e racional é o rio, claro...)

    Cristiana fernandes

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Rcaional? Não sei. O prazer das pequenas coisas também é muito sensorial...

      Eliminar
  6. Estou preocupado. Não consigo posicionar-me num mapa de 0rografia não convencional em que os afluentes desaguam contra o curso das pequenas cisas felizes. Será grave?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. ehehehhe não sei, tem de marcar consulta...

      Eliminar
  7. The river of pleasure in the small things desagua nas ondas da depressao? Nao há outra hipotese?

    ResponderEliminar
  8. Faltam pelo menos dois elementos neste mapa: o deserto do ser e o lago do autoconhecimento. Eu, sigo a máxima de Siddhartha e escolho o meio. Mesmo junto ao rio, mas de vez em quando apanho umas ondas também. Bom ano 2014. Parabéns pelo blogue.

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.