email para contactos:
depressaocolectiva@gmail.com

quarta-feira, 16 de outubro de 2013

Feeling blue?


A distinção é entre estar triste e estar deprimido é escorregadia. Por vezes desaloja a marca temporal. Hoje trago o meu exemplo. Tinha o meu filho mais velho treze anos e foi a uma viagem de finalistas do nono ano. Durante  essa semana andei angustiado e triste. Aparentemente, seria a preocupação com a viagem do miúdo ou com a sua ausência. Não era. O rapaz tinha um horário escolar que fazia com que almoçássemos juntos  todo os dias da semana. Falávamos de futebol ( com A Bola em cima da mesa, para análise detalhada) , rigolades e assim. Durante  essa semana almocei sozinho , mas também não foi isso  que me atirou ao tapete.
O problema foi uma cadeira vazia. Quando, uns anos antes, me morreu o João, com ano e meio, ficou a faltar um à mesa. A cadeira vazia  do jovem excursionista recuperou todo o mato desse dias. Uma angústia irracional, pesada como  o IRS, contratada pela advogada da memória, atropelou-me. A pergunta: fiquei deprimido ou apenas triste?
A distinção é relevante, porque as decisões terapêuticas afectam a vida das pessoas. Têm aqui o resumo das teses de um senhor que se ocupa da espitemologia da mental disorder. Tendo, com  a experiência, a considerar isto: a resposta não está  no que sentes, mas na forma como reages.
Ou seja, se ficamos estuporados pela tristeza, se lhe entregamos  os pontos, e por vezes não há alternativa,  é  a depressão; se analisamos e racionalizamos, reagimos.

13 comentários:

  1. "a resposta não está no que sentes, mas na forma como reages". parece-me lapidar Filipe. Aprendi (?) tarde a reagir bem à dor (e se a conheço, nas suas mais diferentes matizes), não lhe escapando, abraçando-a. Como fez Jesus Cristo.
    Forte abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ainda tenho de ir a isso, ao papel da religião na recuperação. E será a propósito de um caso triste e relacionado .
      outro, João

      Eliminar
  2. Há vários tons de Blue. À tristeza mais profunda e permanente eu chamo "depressão branca", à falta de melhor. Neste ponto já se torna escorregadia a diferença para a depressão propriamente dita e.a partir daqui é com os psis. E com a Maria Luisa Albuquerque, é claro

    caramelo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não chamas tu, esse termo existe mesmo embora não exactamente nesse sentido mas perto.

      Eliminar
    2. não sabia, mas já fui ver ao google.

      caramelo

      Eliminar
  3. Perdi uma filha com sete anos, vai para doze. Não andei deprimido, andei triste, e esta tristeza mantém-se aqui e ali, em dias em que me lembro como me morreu, que pode ser mais forte do que lembrar que me morreu. O que me "salvou"? A Fé. A Fé, seguramente! Como, não sei explicar, talvez ajudando-me a encontrar um sentido para a vida, abrindo-me a mente e o coração para uma espiritualidade que me fizeram olhar em frente e perguntar "para quê?", por oposição a "porquê?". É fraca a explicação, eu sei, mas não sei mais do que isto...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É, acredito e a explicação não é fraca.
      Lá irei.

      Eliminar
  4. Como não correu a ir buscá-lo, aguentou a tristeza, adaptou o seu comportamento a ela.
    Quanto à fé, acredito. Mas quem não a tem, também não me parece que consiga inventá-la para curar a ferida. Fica tudo mais difícil.
    ~CC~

    ResponderEliminar
  5. A Bola em cima da mesa não é caso para CPCJ? :)

    ResponderEliminar
  6. Caríssimo FNV, sempre que aqui venho encontro a tragédia!! A tragédia de uns e de outros, que nos trás! Mas que hoje nos trás, entre vírgulas, a sua tragédia! Não deve, caro FNV, haver tamanha tragédia quanto a de um pai enterrar um filho, é, pelo menos, assim que vejo!! Leve daqui os meus olhos abertos e um abraço pesado!! Um bem haja

    ResponderEliminar
  7. E será mesmo preciso reagir, porque não deixarmo-nos invadir pela tristeza? E se quisermos estar tristes ou simplesmente ser tristes e ponto final? Esta semana lia um artigo no Ípsilon sobre um miúdo que compõe umas coisas com uma certa graça e, a dada altura, ele dizia que a felicidade constante é uma morte aos poucos e revi-me nas suas palavras, cansa-me a alegria constante e estupidificante em que é suposto vivermos. Uma sociedade que rejeita a tristeza, o sofrimento, os velhos, os fracos e os cansados da vida é uma sociedade doente e talvez aí esteja a origem de tanta depressão. Vivemos nos extremos, ou esfuziantes de alegria ou deprimidos. Gosto de estar alegre mas também gosto e reclamo o direito de estar triste quando me sinto triste e não me venham com comprimidos ou psis. A música ajuda, torna a tristeza habitável. Pergunto-me até se é possível gostar de música, de literatura, ou amar alguém, sem gostar um pouco de estar triste. O que seria de nós sem a doce melancolia, seríamos ainda humanos?

    ResponderEliminar
  8. Claro. Se percorrer este blogue verá isso mesmo ( veja post DepressionQuizz e o conselho qu edou)
    Este post é para pessoas que não gostam de estar tristes e confundem isso com depressão e depois intoxicam-se em medicação.
    Por outro lado é preciso ver que nem toda a gente sente como vc: pessoas que não gostam de estar tristes .

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.